Será que necessito? A cirurgia plástica poderá me ajudar quanto as minhas expectativas? Como escolher onde e com quem fazer? 

Muitas são as perguntas de quem procura uma cirurgia plástica para obter melhoria das formas estéticas corporais.

O pré-operatório de uma cirurgia plástica é muito importante no sentido de se priorizar a segurança, ter sucesso na recuperação buscando atingir o melhor resultado para cada indivíduo.

Neste artigo abordaremos as principais dúvidas colhidas do nosso dia a dia com os pacientes ao longo desses quase 10 anos vividos na cirurgia plástica. Vamos lá!

CONSULTA

Posso ou não posso operar? E o que fazer para solucionar minha questão estética?

A consulta pré-operatória para a cirurgia plástica é fundamental e parte do tratamento. É na consulta médica que podemos avaliar as questões de saúde, riscos associados a comorbidades (doenças pré existentes), analisar os aspectos anatômicos tão particulares de cada paciente e, desse modo, poder enfim indicar ou contra-indicar algum procedimento cirúrgico, bem como fazer uma escolha consciente da melhor técnica a ser aplicada em cada caso. Nesse momento também serão solicitados todos os exames pré-operatórios e, algumas vezes, encaminhamentos a especialistas de outras áreas médicas como Cardiologistas, Hematologistas, Reumatologistas, Mastologistas, Psiquiatras, entre outros, no intuito de estabilizar e normalizar os estados de doenças crônicas, a fim de cercar de maior segurança possível os momentos cirúrgico e de recuperação no pós-operatório de uma cirurgia plástica.

 A motivação do nosso trabalho é para que você tenha maior alegria com a realização de sua cirurgia plástica e, para isso, a segurança é o primeiro ítem a ser por nós observado e perseguido.

Dito isto, a consulta médica sobre sua cirurgia plástica não é mera obtenção de orçamento, e sim, uma análise aprofundada sobre as suas questões de saúde e anatômicas, próprias de cada indivíduo para, enfim, podermos programar um tratamento personalizado voltado a cada paciente, voltado à você, e regidos sob padrões éticos, técnicos, médicos e humanos. 

ESCOLHA CONSCIENTE DO SEU(SUA) CIRURGIÃO(Ã) PLÁSTICO(A) E DA CLÍNICA DE CIRURGIA PLÁSTICA: QUAIS SÃO OS CRITÉRIOS REALMENTE IMPORTANTES QUE SE DEVE OBSERVAR?

Nos tempos de fervilhamento das redes sociais observamos comentários sobre resultados obtidos por muitas pessoas que se expõem nesses veículos, classificados como ruins ou bons, e a atribuição desses resultados a uma certa “divindade”, ou não, de alguns profissionais.

Na verdade, a mídia serve justamente para isso. Explorar o melhor e publicar o melhor e, às vezes, “inventar” o melhor para tornar determinada coisa desejável e levar legiões de pessoas, que tiveram um lapso de reflexão, a um determinado pensamento, conduta e escolha. Caímos todos os dias nisso com as diversas propagandas que vemos em todos os lugares e veículos. Por isso, devemos sempre analisar as redes sociais com um olhar muito crítico para filtrar o que poderia ser ou não possível e verdadeiro. No entanto, não estamos aqui para demonizar a mídia e sim explicar os pormenores, o “lapso de pensamento” que temos no julgamento de resultados em cirurgia plástica. Vamos aos esclarecimentos!

Primeiramente, os resultados obtidos em um paciente são daquele paciente e podem ser, sim, semelhantes em pacientes com o mesmo biotipo!

Estruturas ósseas não se modificam, portanto quadril largo não se tornará estreito, e quadril estreito não se tornará largo; cinturas não são fabricadas e sim descobertas na realização de uma lipoaspiração, ou de uma abdominoplastia isoladas ou associadas. Existe um arcabouço ósseo e muscular que determina a cintura mais fina ou mais larga, e essa estrutura não é passível de modificação cirúrgica ou, em alguns casos, apenas de modificações mínimas. Quanto as mamas, são inúmeras as diferenças de mama entre as pessoas e até mesmo entre as mamas de uma mesma pessoa. Desse modo não é possível “escolher” uma mama ou outra, poderemos sim, ter estimativas de como aquela mama poderá ficar.

Há pacientes que necessitam de vários procedimentos estéticos para alcançar uma forma desejável ou próxima disso, enquanto outros podem com um só procedimento ter satisfação com seu corpo.

Portanto, em termos de resultado, tudo dependerá de sua genética de base e de como e quão cuidado está seu corpo no pré-operatório, o que será determinante para o aprimoramento de suas formas com a realização da cirurgia plástica. 

Enfim, são inúmeras as combinações de estruturas óssea, muscular e de distribuição de gordura entre os seres humanos por isso não há como replicar resultados exatos, não há como produzir um ser humano do zero como se fosse uma programação em impressora 3D!

Por esse motivo é que “resultados” não são propriedade de um ou outro cirurgião(ã) plástico(a).

O que determinados profissionais utilizando a mídia podem fazer é expor ou estimular a exposição somente de “resultados” que aos nossos olhos são mais agradáveis ou belos, olhos esses já pré-formados por toda mídia (escrita, televisiva, social…) que nos cerca, além do desserviço dos programas de alterações de fotografias que nos geram o desejo da perfeição que não existe.

Ao observarmos a mídia social (que é bastante manipulada) veremos que os resultados mais propagados, seja de que cirurgião(ã) plástico for, serão de mulheres com mamas e próteses, cintura fina e quadril largo. Esse é o padrão “belo” aos nossos olhos. E então se propaga a benesse do “resultado”. A paciente que não tem esse biotipo pode procurar determinado profissional com o intuito de “obter aquele resultado” o que não será possível. E pronto, teremos a “divindade” do cirurgião(ã) plástico desfeita.

Nós, cirurgiões plásticos, trabalhamos com uma matéria prima pronta, que é o ser humano, com sua anatomia própria, portanto esse é o nosso limite à realização de tudo o que se deseja, principalmente quando o desejo é de transformação em outra pessoa, ou da obtenção de outro corpo. 

Sempre digo a meus pacientes, na sua primeira visita em consulta, que nós utilizamos os melhores meios técnicos, mais modernos e eficientes para trazer a melhoria e o embelezamento do ser humano que se é. 

Gostar de si, antes de tudo está dentro, e modificar o de fora certamente fará com que gostemos mais de nós mesmos, mas essa sementinha já tem que estar lá. 

E o que isso tudo tem haver com a escolha do médico(a), do(a) cirurgião(ã) plástico(a)?

Tudo. Pois agora sabemos que não se pode deter “os mesmos exatos resultados” em anatomias variadas e, por isso, a indicação de mídia social não é o melhor crivo de escolha. Pode ajudar a nortear, mas não é fidedigna por ser manipulada e viciada para mostrar apenas o que queremos ver ou, pior, o que somente querem que vejamos.

No intuito de ajudá-los nessa escolha tão importante preparamos critérios para que vocês possam analisar puramente, por si mesmos, durante as consultas em cirurgia plástica pelas quais passam:

Crivo técnico

1) A escolha deve ser feita com base na formação e em toda titulação necessária para ser um Cirurgião(ã) Plástico(a);

2) Pesquisar no CRM e Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica se verdadeiramente é um especialista na área;

3) Ler sobre o médico(a) com quem você irá consultar;

4) Procurar ver em consulta médica fotos de casos operados pelo cirurgião(ã), (obviamente sem identificação), pois essa é a identidade de trabalho de cada profissional (técnica, perfeccionismo, cuidado estético, minúcia em acabamento). Isso nos diferencia pois em todas as profissões há quem a execute com maior ou menor preciosismo, capricho e cuidado, apesar da qualificação técnica. O zelo e o veio artístico é muito pessoal e o você deve estar atento a isso;

5) Saber se você realmente será operada pelo(a) cirurgião(ã) plástico(a) com quem está consultando, pois muitas vezes, poderá ser um “médico auxiliar” a fazer sua cirurgia;

5) Saber como será seu pós-operatório, se haverá ou não o acompanhamento pelo médico(a), pelo cirurgião(ã) plástico(a) que operou, enfim se você será cuidado de verdade. O pós-operatório de cirurgia plástica é o momento mais crítico ao paciente, momento em que se encontra mais fragilizado, uma vez que todo o processo, apesar de informado e a ele explicado, é muitas vezes, novidade e desconhecido como vivência pessoal. Desse modo, o acompanhamento técnico do médico(a) cirurgião(ã) plástico(a) é muito importante para manter sua tranquilidade nesse caminho.

Essa é a rotina que temos no tratamento com nosso paciente. Ciência, arte e humanidade nos regem em nosso dia a dia de Cirurgiã Plástica já há quase 10 anos.

Crivo humano

O outro crivo é o humano, é a empatia que você deve ter com o médico(a) que lhe atende e vice-versa, pois paciente e médico(a) cirurgião(ã) plástico(a) estabelecem uma parceria de cuidados e cumprimento de recomendações. O paciente, você, entrega a vida aos cuidados daquele(a) médico(a) cirurgião(ã) plástico(a), o qual conta com a confiança, respeito, e obediência às suas recomendações para que ambos tenham sucesso.

Olhar no olho de quem atende, e escutar o que é e o que não é agradável faz parte do processo. Para uma boa escolha você deverá ouvir sobre benefícios e riscos. Optar pela escuta de que tudo é maravilhoso e sem riscos, é optar pela inverdade, pelo próprio engano.

Em nosso atendimento, conversamos com nossos pacientes abordando a verdade sobre as possibilidades de realizar a cirurgia; do que esperar para aquela técnica naquela anatomia e biotipo; se deveremos dividir a cirurgia em 2 ou 3 tempos (realizar os procedimentos em épocas diferentes por maior segurança) ou se tempo único (todos os procedimentos de uma vez só); sobre riscos e benefícios; sobre a troca de sobras indesejáveis de pele e flacidez por cicatrizes bem programadas, mas cicatrizes. Enfim tratamos o paciente com verdade e clareza para que o ele decida por seu tratamento muito conscientemente.

Apesar de toda complexidade de que se trata a análise quanto a realização de uma cirurgia plástica, vivenciamos em nosso dia a dia muitos pacientes ao final da consulta, quando lhes passamos orçamento, dizerem “agora vamos à parte mais importante”. O fato é que essa não é a parte mais importante. É lógico que a questão financeira conta muito em uma decisão de escolha mas em se tratando da vida, o cuidado de todo o processo vale muito, muito mesmo. 

Enfim, a fase pré-operatória é uma das mais importantes pois é quando se decide por um caminho ou outro e com quem segui-lo. Procuramos expor questões até mesmo que não seriam cogitadas mas que certamente farão você refletir.

Esperamos, antes de tudo, ajudar na clarificação de uma decisão tão pessoal e importante e deixamos aqui nosso convite para você deixar suas dúvidas e comentários em nosso Blog ou nos enviar por email ou WhatsApp para que possamos sempre produzir mais conteúdos sobre este universo da cirurgia plástica.

Grande abraço a todos,
Dra. Viviane Teixeira

DRA. VIVIANE TEIXEIRA

Formada pela UFPR, USP e HUEC

Membro Especialista da SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica)

Cirurgiã Plástica em Curitiba há 10 anos.

Olá! Aqui iremos conversar mais sobre Cirurgia Plástica no intuito de esclarecer dúvidas frequentes colhidas nesses 10 anos de atuação. Vocês são nossos convidados a ler e a conversar conosco caso seu desejo seja o de aperfeiçoar as formas corporais e da face. Conheça mais em TRATAMENTOS.  Sejam muito bem vindos!!”

Cuide-se. Você merece.

Agende agora a sua consulta.

AGENDE AGORA